Ter um canal no Youtube é algo simples, dependendo da aceitação do público, o canal pode até gerar uma renda. Essa plataforma está cada vez mais evidente no mundo das digital influencers, que têm em comum, um assunto para compartilhar. Quem está pensando em fazer transição capilar pode contar com a “ajudinha” dessas mulheres crespas ou cacheadas que dão uma verdadeira aula de como encarar essa nova fase.

Entre as dicas, elas explicam como cuidar dos cabelos, quais os produtos adequados para cada tipo de cabelo e principalmente dão suporte no quesito autoestima. É uma maneira fácil de descobrir novidades, ficar por dentro do assunto e não se sentir sozinha.

A repercussão é tão grande que muitas dessas profissionais começaram de forma amadora, gravando vídeos com celular, em casa, e depois passam a viver fazendo produções com equipamentos profissionais. O amparo da internet também abrange outras plataformas como os blogs, facebook, instagram, que ajudam a reforçar esse trabalho.

Por conta disso, entrevistei algumas dessas mulheres que estão fazendo muito sucesso com o Youtube, para saber o tipo dos cabelos, as experiências de cada uma, e o que pensam sobre a transição capilar.  Durante essa semana você pode acompanhar entrevistas com influenciadoras digitais, começamos com as lindas Alexandra Ravelli e Amanda Mendes.

Transição capilar por, ALEXANDRA FREITAS RAVELLI, São Paulo/SP

36 anos, Youtuber, Canal: Soul Vaidosa, 27.400 inscritos até a data dessa postagem

(Foto: Arquivo Pessoal/Instagram)

“A transição capilar é definida como um ato de resistência, de luta, de não aceitação aos padrões, e de que acionamento a tudo que nos foi imposto a vida toda”.

Conhecida no Youtube como Xan, a youtuber é um caso a parte porque não passou pela transição. Ela conta que sempre teve cabelo crespo, usou relaxamento por pouco tempo, porque o volume sempre a incomodou, mas começou a procurar informações para tentar entender como cuidar do cabelo há uns seis anos.

Alexandra acredita que ainda tem muito espaço para blogueias e youtubers crespas trabalharem, e conta que fica muito feliz quando vê as “pretas” produzindo bons conteúdos e de qualidade.  Ela conta que sempre consumiu muito YouTube e assistia as meninas “gringas” porque aqui no Brasil não encontrava conteúdo que falasse sobre cabelo crespo. Desde a gravidez teve muitas preocupações referentes à representatividade negra na mídia e então surgiu a ideia de um canal no YouTube para que  filha Jade pudesse ver.

A influenciadora conta que aprendeu as técnicas capilares a partir de estudos em sites internacionais e muitos testes. Quanto às redes sociais, ela também tem instagram, página no Facebook e agora tumblr e busca se profissionalizar para ter boa qualidade nos trabalhos já que ser youtuber, para ela é uma profissão.

“Meu trabalho consiste em representar a marca em alguns eventos, escolher produtos dentro que eu mais me identifiquei os que eu mais goste mensalmente para produzir conteúdos em minhas redes”, declara Alexandra que é embaixadora da marca salon line.

Na opinião de Alexandra, o que motiva mulheres negras a procurar canais é a falta de profissionais qualificados para cuidar de cabelo crespo no mercado e a pouca representatividade por conta da mídia tradicional.

Siga Xan Ravelli: Youtube: Soul Vaidosa Blog: soulvaidosa.com Instagram: @xanravelli Fanpage: Soulvaidosa Twitter: @sou_vaidosa

Transição capilar, por AMANDA DIAS MENDES FERREIRA, Campinas/SP

 22 anos, YouTuber, canal: Tô de Crespa, 73.545 inscritos até a data dessa postagem

(Foto: Arquivo Pessoal/Instagram)

“É um momento de autoconhecimento, de descoberta e aceitação, onde finalmente percebemos que não há nada de errado em ser quem somos. É um movimento que nos fortalece e nos faz ser quem realmente somos, quebramos padrões, nos ligamos a nossas raízes, nos empoderamos, nos unimos!”

Uma das embaixadoras da marca de cosméticos Salon Line tem nos cabelos uma mistura de fios 3C e 4A. A jovem entrou em transição no mês de agosto de 2015, motivada pela necessidade de saber quem realmente era.

Amanda vê o movimento de muitas mulheres negras produzindo conteúdo, assim como ela, como um empoderamento coletivo. “Finalmente estamos nos unindo e nos ajudando!”. Para ela a ideia do canal surgiu junto com a necessidade e vontade em compartilhar as lutas e conquistas com quem também estivesse passando pelo mesmo processo, faz uso também das redes do Intagram e fanpage no Facebook para transmitir conteúdo.

Parece que o fato de “humanizar”, pelo menos no meio digital, tem dado muito certo, pois a dona do canal Tô de Crespa conta que já recebe retorno financeiro e até o momento trabalha de forma amadora, mas que tem planos de profissionalizar. Sobre o que motiva as mulheres negras a procurar por esses canais, Amanda acredita que é a vontade de saber cuidar de si mesma e economizar dinheiro também, mas principalmente a questão de compartilhar vivências e se fortalecer com a ajuda das companheiras.

A moça que aprendeu a editar os vídeos através do Youtube se aprimorou nas técnicas capilares conforme ia executando no próprio cabelo.  O trabalho como embaixadora de marca de cosmético funciona utilizando os produtos e fazendo um feedback para o público, falar sobre o resultado, como reagiu no cabelo dela, quais os pontos positivos ou negativos.

Siga Amanda Mendes: Youtube: TÔ DE CRESPA Instagram: todecrespa Fanpage: Tô de Crespa

 

Compartilhe este post »